Corinthians e Palmeiras se enfrentaram na última quarta-feira — Foto: Marcos Ribolli

Por Leonardo Lourenço — São Paulo

Apesar de o estado viver o momento mais crítico da epidemia de Covid-19, o Governo de São Paulo e a Federação Paulista de Futebol ainda não discutem a possibilidade de paralisação do Campeonato Paulista, com a terceira rodada prevista para o final de semana.

Na última terça-feira, São Paulo registrou o recorde no número diário de mortes causadas pela doença, com 468 óbitos. Desde o início da pandemia, 60.694 pessoas morreram no estado por causa do coronavírus, número suficiente para lotar o estádio do Morumbi, o maior da capital.

Nesta semana, o governador João Dória endureceu as medidas de restrição em São Paulo, com todo o estado regredindo para a fase vermelha do Plano São Paulo a partir de sábado – isso significa que apenas atividades essenciais, como mercados e farmácias, podem funcionar.

Segundo dados atualizados nesta quinta-feira, a taxa de ocupação de leitos para Covid em São Paulo é de 77,4% para UTI e 59,6% em enfermaria. Nas regiões de Araraquara, Bauru e Presidente Prudente, há mais de 90% de ocupação nas UTIs.

Ainda assim, não se discutiu a possibilidade de interromper a disputa do Campeonato Paulista.

Na Federação, o entendimento é de que o protocolo apresentado pela entidade e aprovado pelo governo estadual é uma garantia de que o torneio não corre risco. O documento prevê medidas de prevenção, com a realização de testes semanais.

O Corinthians teve um surto às vésperas do clássico contra o Palmeiras, disputado na última quarta-feira. Oito jogadores foram identificados com a doença, além de membros da comissão técnica.

Não há, na entidade, a intenção de interromper a disputa. A não ser que haja determinação de órgãos públicos.

Em entrevista coletiva na última quarta-feira, José Medina, do Centro de Contingência do governo paulista, usou exemplo de campeonatos europeus para justificar a manutenção dos jogos:

– Até esse momento, vai seguir o mesmo modelo da Europa, com vários países que instituíram lockdown e mantiveram a atividade de futebol, atividade esportiva sem plateia. Até o momento, a decisão é manter as atividades, como vem seguido em Portugal, Inglaterra, Estados Unidos, onde essa atividade, bastante controlada, foi mantida, até porque a população precisa de algum tipo de diversão, de entretenimento durante esse período tão duro.

Em 2020, a circulação do vírus por São Paulo fez com que o Campeonato Paulista fosse paralisado no dia 16 de março após 10 rodadas disputadas. Àquela altura, o estado havia registrado 152 casos confirmados. A primeira morte foi divulgada pelo governo no dia seguinte.

O torneio só foi retomado no final de julho, com a disputa de todos os jogos programados, mas sem a presença de torcedores, o que se mantém até hoje. A pandemia empurrou o calendário de 2020 até 2021, com o Brasileiro tendo sido disputado até o dia 25 de fevereiro.

Em Santa Catarina, o torneio estadual foi interrompido nesta quinta-feira, com a proibição da realização de partidas por 15 dias – no estado, a taxa de ocupação de UTIs para Covid-19 passou de 99%.

No Ceará, a determinação de um lockdown em Fortaleza fez com que o governo do Estado suspendesse partidas do Cearense na capital – mas liberou jogos da Copa do Brasil e da Copa do Nordeste. Há negociação para que cidades com menos restrições recebam jogos que estavam previstos para Fortaleza.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui